Fraudes e adulterações contra o consumidor

Fraudes e adulterações contra o consumidor
Share

Certo dia ao abrir uma lata de atum (em óleo) e drená-la, resolvi extrair todo o seu conteúdo e pesar. Bom! Como não sou parte do corpo do INMETRO e nem tenho equipamentos devidamente adequados, nem mesmo havia um número de amostras adequado para chegar a essa conclusão, mas enfim. Pesando em minha balança com precisão de 1g, obtive o valor 98g. Na lata, constava o valor de 170g (peso líquido) e 120g (peso drenado).

Eu, a princípio, duvidei. Não acreditei que tinha ocorrido tanta diferença. Mas como disse acima, não sou especialista em análises desse tipo. Porém, isso tudo me fez refletir: E se a indústria, propositalmente, coloca menos produto do que o informado na embalagem? É claro que existe toda uma regulamentação sobre isso e, com certeza, deve existir uma margem de erro, pois nem as máquinas são perfeitas. Entretanto, você pode se perguntar: Será que há fiscalização suficiente para tudo?

Vamos supor que essa indústria coloque cerca de 10g a menos para cada lata de atum. E vamos supor que cada grama do atum custe para a indústria uns R$ 0,05 (somente supondo). R$ 0,05 x 10 = 0,50 centavos. Ou seja, economizam 0,50 centavos por lata, ou melhor, 10g de atum por lata. Agora, supondo que a mesma indústria produza 1.000 latas por dia. Quanto foi a economia?

1000 x 0,50 = 500 reais. Ou, em gramas de produto: 10 x 1.000 = 10.000g ou 10Kg. Com 10Kg economizados, essa indústria faria 83,3 latas de atum normais, não adulteradas ou quase 91 latas adulteradas.  Supondo também que essa indústria trabalhe de segunda a sexta-feira e considerando que a indústria trabalhe 200 dias por ano o valor de economia em reais seria de: 0,5 x 1.000 x 200 = 100.000 reais. Ou, em peso: 10 x 1.000 x 200 = 2.000.000g = 2 mil Kg ou 2 Ton.

É claro, que esse exemplo é um exagero, mas pare e pense. Quem garante que em 100% das vezes que você compra um produto industrializado, esse contém a quantidade que diz conter. E se a fiscalização é falha, quem impede que isso seja feito? E mais, será que as multas seriam pesadas o suficiente para barrar tais ações?

Ainda pensando nesse exemplo do atum. Vamos supor que você pague a tal lata R$ 3,99 (na promoção). Mas, teoricamente você paga esse preço por 120g e não por 110g. Portanto, fazendo uma regra de três simples, você consegue concluir que pagou, na verdade:

110g – 3,99

120g – x

logo: R$ 4,35. Ou seja, onde está a promoção? Você pagou na verdade R$ 4,35, mas sem saber. Afinal, você não consegue saber com exatidão se o peso que diz na embalagem, realmente está na embalagem.

Outra situação em que tenho certeza que você já deve ter ouvido falar é sobre a adição de água em produtos cárneos. Ou seja, o pessoal do açougue acrescenta água em algumas peças de carne, normalmente, com ajuda de uma seringa. Mas para quê? Simples, para pesar mais e você pagar mais, já que o produto é vendido por peso. Essas são adulterações maléficas que as pessoas fazem para ganhar mais dinheiro.

Vamos supor que o Kg de uma determinada carne seja 30 reais.  Você pede 1kg como de costume, porém, não sabia que ali havia água. A balança, lhe mostra o que você pediu (1Kg), mas, ali havia 100ml de água. Ou seja, da pra dizer que de carne mesmo você comprou 900g, mas pagou por 1Kg.

900g – 30,00

1000g  – x

Logo: 33,33 reais.

Você pode encontrar várias notícias a esse respeito, como no link abaixo. Reportagem de Ezequiel Fagundes e Daiane Costa.

http://oglobo.globo.com/economia/defesa-do-consumidor/seis-frigorificos-sao-suspeitos-de-adulterar-carnes-com-soro-colageno-em-minas-gerais-10370270

Agora, não mais falando de indústrias de alimentos, mais sim nos postos de combustíveis. Quem não se lembra das denúncias de postos de combustíveis que, com o acionamento de um botão, a bomba abastecia menos, porém marcava a quantidade pedida pelo cliente. A gasolina, por exemplo, que já é cara, fica ainda mais cara até porque esse combustível não é puro, essa já contém um grande teor de álcool (25%, subindo para 27% atualmente) e ainda podem conter produtos solventes, adulterando o combustível. Aí você pode se perguntar se, o seu motor a gasolina vai durar tanto quanto poderia com esse aumento no percentual de álcool.  Ou seja, sem comentários.

E aí? pense um pouco a respeito desse assunto.

(Visited 166 times, 1 visits today)
Share

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>